No mês passado, o Maranhão ficou em destaque após a notícia de que o estado encontra-se

No mês passado, o Maranhão ficou em destaque após a notícia de que o estado encontra-se na 2ª melhor situação fiscal do Brasil, ficando atrás apenas do Ceará.

A constatação surgiu após um estudo feito pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – Firjan. A pesquisa “A situação fiscal dos estados” fez um ranking da crise fiscal dos estados, do pior para o melhor, baseando-se nos dados de 2016. Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo lideram, respectivamente, o quadro de desempenho surgindo como os piores estados em situação fiscal atualmente.

O excelente cenário no qual se encontra o Maranhão em momentos de crise econômica demonstra a eficiência do trabalho que os auditores fiscais estaduais vêm realizando ao longo do tempo na Sefaz, atuando constantemente na luta contra a sonegação fiscal e possibilitando que o tributo pago pelo consumidor chegue aos cofres públicos e mantenha a administração pública em equilíbrio com seus gastos.

Para levar a boa notícia à população maranhense, o Sindaftema espalhou nas ruas de São Luís dezenas de outdoors nos pontos de maior movimentação. Com o slogan “Fisco Eficiente, Estado Fortalecido”, a intenção também é de conscientizar a sociedade sobre a importância do papel do Auditor Fiscal para manter o Maranhão no patamar o qual se encontra.

A íntegra da pesquisa pode ser vista no site da Firjan, através do link http://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/a-situacao-fiscal-dos-estados.htm#pubAlign

Fonte (FENAFISCO)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Em tempos de redes sociais, distritais gastam

Você já recebeu uma correspondência em casa enviada por algu

Auditor fiscal aposentado relembra homenagem da Associação Comercial

Em 1993, o auditor fiscal aposentado Nelson Hey recebeu.

Planejamento destina R$ 13,5 bilhões em crédito

O Ministério do Planejamento abriu crédito suplementar de R$

Comentários