Depois da aprovação de sete MPs no dia da manifestação da Esplanada. 

Depois da aprovação de sete MPs no dia da manifestação da Esplanada e do agradecimento de Temer aos parlamentares, governo quer avançar com a reforma trabalhista no Senado

Ainda no meio da turbulência política provocada pelas delações feitas pelo empresário Joesley Batista, do grupo JBS, e sem conseguir vislumbrar quando e se essa crise vai acabar, o governo tenta reconstruir a sua história com o parlamento passo a passo. Depois de o presidente Michel Temer gravar um pronunciamento, divulgado nas redes sociais na última quinta-feira, celebrando a aprovação de sete medidas provisórias na Câmara, o Planalto planeja ter uma semana mais efetiva de votações, sobretudo de matérias consideradas estratégicas, como a reforma trabalhista no Senado. O que não será fácil, diga-se de passagem.

Na semana passada, o simples debate quanto à leitura do relatório da reforma na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado gerou uma confusão generalizada que debandou para as vias de fato entre os senadores Randolfe Rodrigues (PSol-AP) e Ataídes Oliveira (PSDB-TO). A sessão pegou fogo, foi interrompida e, quando os trabalhos acabaram retomados, os oposicionistas tentaram arrancar o microfone das mãos do presidente da comissão, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

“Semana passada foi uma guerra. E estávamos apenas tentando ler o relatório. Na próxima sessão, será uma guerra ainda maior para votar o texto. Eles (a oposição) puxarão a corda para um lado e nós (governistas) puxaremos a corda para o outro”, resumiu um líder governista, que preferiu não se identificar por acreditar que o Congresso esteja funcionando mais por uma questão de sobrevivência própria do que como uma maneira de resgatar o governo do presidente Michel Temer.

A avaliação do núcleo próximo de Temer é diferente. A sensação é de que, aos poucos, as nuvens começam a se dissipar. Na sexta-feira, Temer recebeu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, para fazer um balanço da semana que passou e projetar as próximas batalhas. No dia em que a Esplanada dos Ministérios ardia e Temer publicou um decreto autorizando o uso das Forças Armadas para Garantia da Lei e da Ordem, o plenário da Câmara votou sete medidas provisórias, entre elas a que autorizava a continuidade do saque das contas do FGTS para os aniversariantes de setembro a dezembro.

 Obstrução de votações
“Eu acho que nós erramos na estratégia, deixamos o plenário vazio. Mas eu tive que sair também porque o PT e o PCdoB decidiram ir embora”, lamentou o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ). “Acho que o Rodrigo (Rodrigo Maia, presidente da Câmara) errou ali. Ele poderia ter suspendido a sessão por causa de toda a confusão que estava acontecendo”, completou Molon. O deputado Julio Delgado (PSB-MG) concorda, afirmando que daria para ter deixado pelo menos uma parte das bancadas no plenário para manter a obstrução das votações. “O governo comemora a aprovação de sete MPs, mas omite que estávamos fora do plenário. E não concluiu a votação da MP 765, que paga um bônus de produtividade para os auditores fiscais da Receita Federal”, completou Delgado.

Nesta semana na Câmara, o governo tenta aprovar a MP do Refis, que cria regras para um novo parcelamento das dívidas das empresas e retoma as discussões da renegociação das dívidas dos estados. “A ideia é mostrar que as coisas estão funcionando. O governo está governando, a Justiça e o Congresso estão trabalhando. Apesar de alguns integrantes de alguns partidos da base, que desejam tomar o lugar do Michel e não têm coragem de assumir a conspiração às claras”, criticou o vice-líder do governo na Câmara, Lucio Vieira Lima (PMDB-BA).

Para Lúcio, é preciso que os partidos da coalização governista superem as divisões e dúvidas neste momento de crise. “Senão, como justificar a união para o impeachment da presidente Dilma no ano passado? Vamos passar a impressão de que tiramos a presidente não para apresentar um projeto de país, mas pelo projeto de poder pelo poder”, completou o deputado peemedebista. O Planalto torce para que novos sustos não ocorram, embora reconheça que a crise está longe de acabar. “Seríamos ingênuos de dizer que está tudo bem”, resumiu um assessor palaciano.

A oposição promete, na próxima semana, pressionar o governo para explicar a saída da presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, no momento em que os deputados ameaçam instaurar uma CPI para investigar banco de investimentos. E o Planalto está em compasso de espera por conta da retomada da votação, em 6 de junho, do processo de cassação da chapa Dilma-Temer.

A expectativa é de que um dos ministros recém-empossados — Admar Gonzaga ou Tarcísio Vieira de Carvalho — peça vista (mais tempo para analisar o processo). Se isso ocorrer, são grandes as chances de o julgamento só ser retomado no fim de junho ou no segundo semestre, já que, em julho, o Judiciário entra em recesso.

Os dias eram assim

As principais vitórias do governo antes da crise JBS

Aprovação, em votação simbólica do Congresso Nacional, do aumento do deficit brasileiro para R$ 170 bilhões

Aprovação, na Câmara, por 359 a 116, do estabelecimento de um teto para os gastos públicos por um período de 20 anos

Aprovação, por 296 votos a 177, da reforma trabalhista na Câmara

Aprovação, por 340 votos a 96, da prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 2023

Fonte (CORREIO BRAZILIENSE) 

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Sindifisco-PB: V Conefisco

Em reunião quinta-feira última (18), a diretoria do Sindifi

Serviços do Fisco alagoano atraem visitantes

Aprimorar os serviços fazendários continua sendo.

Disputas pelo comando de comissões seguem

Enquanto os deputados distritais não chegam ao consenso sobre

Comentários