A comissão especial que analisa propostas que modificam a Lei Kandir .

A comissão especial que analisa propostas que modificam a Lei Kandir (Lei Complementar 87/96) promove hoje nova audiência pública para debate o tema. O colegiado analisa o Projeto de Lei Complementar (PLP) 221/98 e apensados.

Foram convidados para discutir o tema, por sugestão dos deputados Arnaldo Jordy (PPS-PA), presidente da comissão, e Glauber Braga (Psol-RJ):
- o conselheiro efetivo do Conselho Federal de Economia (Cofecon) Eduardo José Monteiro da Costa; e 
- o analista de Finanças da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) Eudes Sippel.

A audiência está marcada para as 14 horas, no plenário 11.

A lei
A Lei Kandir isenta de ICMS as exportações de produtos primários e semielaborados. Até 2003, garantiu aos estados o repasse de valores para compensar perdas decorrentes da isenção de ICMS, mas, a partir de 2004, a Lei Complementar 115/02, embora mantendo o direito de repasse, deixou de fixar o valor. Com isso, os governadores precisam negociar a cada ano com o Executivo o montante a ser repassado, mediante recursos alocados no Orçamento da União.

A Lei Kandir determina ainda que uma lei complementar normatize os repasses para compensar os estados com a perda da arrecadação tributária sobre a exportação de produtos e serviços. Essa norma, no entanto, ainda não foi regulamentada pelo Congresso. Por isso, em novembro passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o Parlamento aprove, em 12 meses, a lei com essa compensação.

A reunião também pode ser acompanhada ao vivo pelo WebCâmara.

Fonte: Agência Câmara

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Ajuste fiscal pode ser chance para deixar os impostos mais justos

Ministro vê "completa falência" do sistema tributário. 

Sindicalistas atacam reforma trabalhista

Aspectos da reforma trabalhista proposta pelo governo, inclui

Agnelo recebeu R$ 1mi e Arruda, R$ 996 mil

Cinco políticos do Distrito Federal, alvos da Lista de Janot,

Comentários