secretário-executivo do ministério da Fazenda, Eduardo Refinetti Guardia. 

 secretário-executivo do ministério da Fazenda, Eduardo Refinetti Guardia, refutou nesta sexta-feira (30), a possibilidade de redução do Imposto de Renda para pessoa física e a compensação disso com a revisão do regime de tributação de dividendos e juros sobre capital próprio das empresas.

"São dois erros numa mesma medida", disse em evento organizado pelo CCiF (Centro de Cidadania Fiscal).

"A tributação de pessoa física é baixa, não sei quem surgiu com essa ideia. Não foi o ministério da Fazenda", disse.

Reforma Tributária
As prioridades do governo na discussão tributária hoje incluem o debate sobre o ICMS com os Estados, a simplificação na apuração do PIS/Cofins e também as distorções existentes na tributação sobre aplicações financeiras, afirmou Guardia.

Como exemplo de possíveis mudanças nas aplicações financeiras, ele ressaltou os incentivos existentes à compra de debêntures de infraestrutura para pessoas físicas e não extensão desse tipo de benefício aos fundos de pensão, investidores por excelência desse tipo de ativo.

Guardia vê limites para aumentar a carga tributária no Brasil, especialmente num momento de incerteza como o atual.

Em evento na FGV (Fundação Getulio Vargas), Guardia afirmou que a revisão do sistema tributário deve ser feita via redução dos incentivos fiscais e negou que o governo hoje discute tributação sobre a renda.

Tributo sobre riqueza
No mesmo evento, organizado pela FGV, Sergio Gobetti, pesquisador do Ipea, defendeu uma maior tributação de lucros e dividendos. Para ele, o problema distributivo não pode ser enfrentado apenas pelo gasto público.

"A tributação tem papel fundamental em limitar o grau de concentração de riqueza no topo".

Bernard Appy, diretor do CCiF, se contrapôs ao raciocínio ao dizer que a tributação da distribuição de dividendos e a revogação do regime de tributação de juros sobre capital próprio piorariam a qualidade do sistema.

"O fenômeno da pejotização [a abertura de empresas por físicas que recolhem impostos em regime diferenciado] é um problema distributivo sério porque as pessoas se alta renda escapam da tributação por aí". 

Fonte: Folha press/ Via Diário de Goiás

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Deputados distritais brigam pelo poder

A Câmara Legislativa retoma as atividades regulares na próxim

Odebrecht movimentou US$ 211 milhões na Suíça

A Odebrecht movimentou pelo menos US$ 211,6 milhões em contas

RANDOLFE QUESTIONA NO STF LEGALIDADE

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) ingressou na sexta-feira

Comentários