Número de devedores aumentou quase 49%. 

Número de devedores aumentou quase 49% em cinco anos.  Quase todos são donos de grandes lotes de terra.

Entre as obrigações de quem tem uma propriedade rural está o pagamento anual, do ITR. Mas a lista de quem deve o Imposto Territorial Rural cresceu e bastante, nos últimos anos.

Foi por um triz que o produtor rural Roberval Gontijo não deixou a cobrança do imposto passar em branco este ano – R$ 12,66 pela propriedade de seis hectares, em Brazlândia, a 50 quilômetros de Brasília, no Distrito Federal.  Este é o valor que o agricultor paga pelo Imposto Territorial Rural - o IPTU do campo.

“O programa é liberado em setembro e vai até 29 de setembro. Esqueci de fazer o pagamento, mas já providenciei e terminei o pagamento”, conta Roberval.

O imposto é cobrado pela Receita Federal. É só baixar o programa pela internet, preencher os dados, que o próprio sistema já informa o valor da cobrança. A taxa leva em conta o tamanho da propriedade e a área produtiva.

Só tem isenção terras indígenas, áreas remanescentes de quilombos, assentamentos de reforma agrária e terras da União, estados e municípios.

Quem atrasa o pagamento, leva multa. Para Roberval, foram R$ 25 a mais. Mas agora ele já está com todos os impostos em dia. “É importante porque sem ele a gente não consegue pleitear financiamento, se eu precisar vender a propriedade eu não vou conseguir fazer a venda. Vou precisar atualizar esse pagamento, então é muito importante manter em dia”.

Mas nem todos os produtores rurais cumprem com essa obrigação. A dívida com o Imposto Territorial Rural só aumenta nos últimos anos.

Em 2012, eram R$ 19 bilhões. Até agosto deste ano, o valor já soma R$ 28,5 bilhões. Um crescimento de quase 49% em cinco anos.  Do total, R$ 8 bilhões são dívidas recentes, cobradas pela Receita Federal administrativamente.

Os outros R$ 21 bilhões foram para dívida ativa, já são cobranças judiciais ou por meio de protesto, feitas pela Procuradoria-geral da Fazenda Nacional – 27,5 mil produtores rurais ou agroindústrias estão em débito.

Segundo a Procuradoria-geral da Fazenda, a maioria dos devedores do Imposto Territorial Rural (ITR) têm propriedades nos estados de: São Paulo, Paraná, Pará, Rio de Janeiro e Mato Grosso. Os 20 maiores devedores concentram 40% do valor total do débito com a Fazenda e quase todos são donos de grandes lotes de terra.

Para o procurador-adjunto de gestão da dívida ativa da Fazenda Nacional, Cristiano Neuenschwander, muitos produtores deixam de pagar o Imposto Territorial Rural esperando os benefícios dos programas de refinanciamento de dívidas.

"A dívida cresceu e isso se deve a vários fatores. Um deles, que nos estudo na Receita Federal, aparece muito claramente são a influência de parcelamentos especiais, que servem de mecanismo para rolagem da dívida".

Quem está com o nome sujo sofre sanções aé quitar todos os débitos. Quem ainda não pagou o ITR leva multa de 1% ao mês sobre o valor total da dívida, mais a correção monetária pela taxa Selic. O produtor que quiser regularizar a situação pode participar do programa especial de regularização tributária até o dia 31 de outubro. O programa oferece parcelamentos e descontos no pagamento.

Fonte: G1

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
PEC do Teto dos Gastos inviabilizou a educação púbica

Dermeval Saviani, tem 73 anos. Ele é considerado o criador

Governo faz as contas para aprovar MP que cobra imposto

Atrás de recursos extras para equilibrar as contas públicas

Sindafisco comemora crescimento da arrecadação

Com mais de 1,8 milhão de habitantes, Rondônia tem registra

Comentários