Novo Refis contribui com R$ 7 bilhões para alta da receita

A Receita Federal arrecadou pouco mais de R$ 7 bilhões.

A Receita Federal arrecadou pouco mais de R$ 7 bilhões somente em outubro com o Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), o novo Refis, o que superou as mais otimistas previsões. No acumulado desde agosto, a arrecadação do Pert já supera R$ 15 bilhões, de acordo com dados preliminares do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi).

Esta foi uma das principais razões para o forte crescimento das receitas tributárias federais em outubro, descontando-se o efeito da repatriação do ano passado. Como o Valor informou na última terça-feira, os dados do Siafi mostravam taxas de crescimento da arrecadação federal entre 9% e 12% acima da inflação, na comparação de outubro de 2017 com o mesmo mês de 2016, retirando-se da conta os R$ 45 bilhões da repatriação de ativos de brasileiros no exterior. Outros fatores como a alta nos combustíveis, a melhora da economia e o reajuste dos servidores também impactaram favoravelmente as receitas do governo.

Com o desempenho no mês passado, o cenário de descontingenciamento, que já estava desenhado pelo governo desde setembro, conforme anteriormente anunciado pelo ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, ficou ainda mais favorável. A equipe econômica trabalhava para desbloquear dotações orçamentárias deste ano ainda nesta semana. Hoje, haverá uma reunião da Junta Orçamentária para discutir o assunto. Pelos cálculos feitos até terçafeira, o valor poderia superar a marca de R$ 5 bilhões, mas tinha pouca chance de chegar aos R$ 10 bilhões, número que era almejado em parte do governo e que levaria o contingenciamento para um nível pouco superior a R$ 20 bilhões.

A definição do montante que poderá ser liberado dependia ainda da entrega, pelo Receita Federal, dos dados finais sobre a arrecadação do governo até o momento e a projeção para este ano. Normalmente, a equipe econômica libera dotações orçamentárias bloqueadas quando divulga o relatório bimestral de receitas e despesas, o que está previsto para 22 de novembro. A ideia, até o momento, era antecipar isso para amanhã.

A margem para liberação de recursos deve-se ao ágio nos leilões das hidrelétricas que eram da Cemig e da 13ª Rodada de áreas de petróleo e saque adicional de precatórios, além do Refis, cuja projeção havia sido reduzida e o qual o resultado final foi acima dos R$ 8,8 bilhões estimados originalmente.

Em setembro, já se falava nos bastidores que a liberação poderia ser de pelo menos R$ 5 bilhões. Em outubro, o Valor mostrou que já havia garantida uma sobra de R$ 6 bilhões a R$ 7 bilhões no orçamento deste ano, mas com frustração de R$ 1 bilhão do leilão do pré-sal e também uma arrecadação menor com o Refis das Autarquias, que foi de cerca de metade do projetado no último relatório.

Havia no governo uma disputa sobre o que fazer com as sobras de recursos em relação ao último relatório. Uma parte da equipe econômica gostaria de usar o excedente para fazer um saldo primário melhor do que o déficit de R$ 159 bilhões, para deixar clara uma trajetória de melhora fiscal. Outra ala defendia ainda o uso para reduzir o estoque de restos a pagar, em estratégia semelhante à do ano passado. Mas a liberação de gastos, que pode ajudar politicamente o governo no Congresso, ao que tudo indica terá a maior parte, se não a totalidade, da “sobra” fiscal.

Fonte: Valor econômico

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Em tempos de redes sociais, distritais gastam

Você já recebeu uma correspondência em casa enviada por algu

Frente parlamentar defende eleição direta

Cinco partidos de oposição (PCdoB, PDT, PSB, Psol e PT) se

Temer negocia proposta alternativa de reforma da Previdência

Esse é um ponto de impasse da Proposta de Emenda .

Comentários