Sob pressão dos militantes, o PT deverá desistir de apoiar as candidaturas de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência
Sob pressão dos militantes, o PT deverá desistir de apoiar as candidaturas de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara e de Eunício Oliveira (PMDB-CE) ao comando do Senado. O aval a nomes que foram a favor do impeachment da então presidente Dilma Rousseff e hoje contam com a simpatia do Planalto provocou revolta na base petista, rachou as bancadas do partido no Congresso e obrigou os defensores dessa negociação a recuarem.
 
Na Câmara, a tendência do PT, agora, é avalizar a candidatura de André Figueiredo (PDT-CE). Há deputados, porém, que pregam o lançamento de chapa própria, com Paulo Teixeira (SP). A disputa no Senado ocorrerá na quarta-feira, dia 1º, e na Câmara, na quinta. A posição oficial do PT, no entanto, somente será anunciada nesta terça-feira (31/1).
 
A ala pragmática acha que a sigla deveria endossar Maia à reeleição, além de Eunício, para assegurar cargos na Mesa. O apoio ao deputado Jovair Arantes (PTB-GO) também está descartado
 
Em artigo divulgado no domingo (29/1), o presidente do PT, Rui Falcão, admitiu "divergências" a respeito da decisão do Diretório Nacional, que no dia 20 autorizou acordos com candidatos da base do governo Michel Temer.
 
A exemplo de Falcão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também chegou a defender a abertura de negociações com Maia e Eunício. Nas redes sociais, porém, o grupo Muda PT - que abriga correntes de esquerda - disse não ser possível aceitar o voto em "golpistas".
 
"O fato é que o protesto tem audiência, repercussão e deve ser ouvido pelos parlamentares", escreveu Falcão. "Minha opinião pessoal é que nos unamos aos parlamentares da oposição (PDT, PC do B, Rede e PSOL) num bloco a ser encabeçado por alguém deste campo."
 

'Avulsos'

 
O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) vai lançar hoje candidatura avulsa, já que seu partido fechou com Maia. O PSOL também deve entrar no páreo. Com 58 deputados, o PT está de olho na Segunda Secretaria. "A bancada está muito dividida, mas não abrimos mão de lutar por espaço na Mesa", diz o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP).

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
GDF terá que fazer reforma para conter

Com o anúncio da retirada dos funcionários públicos estaduai

Perspectiva de ajustes na reforma trabalhista

Ajustes na reforma trabalhista projetam debates acirrados.

Princípio de incêndio atinge sala

Um princípio de incêndio atingiu uma das salas localizada no

Comentários