A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou para 0,69% em janeiro
A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou para 0,69% em janeiro ante 0,33% em dezembro, informou nesta quarta-feira, dia 1º, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Na terceira quadrissemana de janeiro, o IPC-S havia ficado em 0,63%. O indicador acumula alta de 5,04% nos últimos 12 meses.
 
O resultado veio dentro do intervalo estimado pelo Projeções Broadcast. De acordo com a pesquisa, as previsões estavam entre 0,52% e 0,75%, com mediana de 0,65%.
 
Das oito classes de despesas analisadas, quatro registraram acréscimo em suas taxas de variação de preços na passagem da terceira para a quarta quadrissemana de janeiro: Educação, Leitura e Recreação (2,53% para 4,15%), Habitação (0,18% para 0,29%), Vestuário (-0,49% para -0,27%) e Comunicação (0,40% para 0,47%). 
 
No sentido contrário, registraram decréscimo Alimentação (0,64% para 0,39%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,46% para 0,35%), Transportes (0,88% para 0,82%) e Despesas Diversas (0,66% para 0,39%).
 
O grupo Educação, Leitura e Recreação foi o que mais contribuiu para a aceleração IPC-S. Dentro do grupo, a FGV mencionou o comportamento do item cursos formais, cuja taxa passou de 5,78% para 9,80%. 
 
Nas outras três classes de despesas que registraram acréscimo em suas taxas de variação entre a terceira e a quarta quadrissemanas, a FGV também citou o movimento dos itens tarifa de eletricidade residencial (-1,32% para -0,54%), em Habitação, roupas (-0,84% para -0,64%), no grupo Vestuário, e tarifa de telefone móvel (0,86% para 1,18%), no segmento Comunicação. 
 
Observados isoladamente, os itens com as maiores influências de alta foram curso de ensino superior (5,14% para 8,66%), curso de ensino fundamental (6,96% para 10,84%), tarifa de ônibus urbano (1,81% para 2,69%), plano e seguro de saúde (que manteve a taxa de 1,01%) e curso de ensino médio (6,70% para 10,72%). 
 
Já os cinco itens com as maiores influências de baixa foram tarifa de táxi (-3,45% para -7,76%), passagem aérea (mesmo com redução na deflação de -14,05% para -12,30%), feijão carioca (-13,01% para -13,70%), tarifa de eletricidade residencial (apesar de a taxa ter subido de -1,32% para -0,54%) e perfume (-0,52% para -1,54%).

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Paim espera aprovar em 2019 novo Estatuto do Trabalho

O senador Paulo Paim (PT-RS) prometeu para 1º de maio de 201

Sérgio Machado também teria delatado Renan

Pivô do primeiro afastamento do ministério do presidente in

Edital do 1º Concurso de Artigos Científicos

Foi divulgado nesta segunda-feira (17), o edital do 1º Concu

Comentários