O atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), confirmou o favoritismo e se reelegeu
O atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), confirmou o favoritismo e se reelegeu, nesta tarde (2/2), com 293 votos, para comandar a Casa nos próximos dois anos. Os outros seis concorrentes não conseguiram somar os 258 votos necessários para levar a disputa ao segundo turno e o parlamentar do DEM foi reconduzido na presidência do Legislativo. 
 
O carioca de 46 anos está no quinto mandato de deputado federal e começou na política pelas mãos do pai, Cesar Maia, ex-prefeito do Rio de Janeiro. Preside a Casa desde junho do ano passado, quando foi eleito para um mandato tampão a fim de substituir o ex-presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cassado por mentir aos colegas sobre a existências de contas no exterior em seu nome.
 
 
Os adversários de Maia tentaram impedir que ele se candidatasse com o argumento de que a reeleição dentro do mesmo mandato é proibida pelo Constituição Federal e pelo Regimento Interno da Casa. Anteontem, contudo, o ministro Celso de Mello, relator dos mandados de segurança impetradas pelos rivais do parlamentar do DEM no Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu as ações e liberou Maia. A decisão ainda será analisada pelo Plenário da Corte.
 
O número de votos de Maia é maior do que o de Eduardo Cunha, há dois anos. O resultado significa o sepultamento do antigo Centrão, grupo de parlamentares que se sustentavam em torno do ex-presidente da Casa, hoje preso em Curitiba. 
 
Com Michel Temer (PMDB) no poder após o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), além de presidir a Câmara, Maia também é o primeiro na linha sucessória da presidência da República e deverá assumir o comando do país quando Temer sair de férias ou viajar para fora do Brasil.
 
Maia concorreu à presidência da Casa com outros cinco candidatos: Jovair Arantes (PTB-GO), André Figueiredo (PDT-CE), Júlio Delgado (PSB-MG), Luiza Erundina (PSOL-SP) e Jair Bolsonaro (PSC-RJ). 
 
Confira o número de votos recebidos por cada candidato:
 
Rodrigo Maia: 293
Jovair Arantes: 105
André Figueiredo: 59
Júlio Delgado: 28
Luiza Erundina: 10
Jair Bolsonaro: 4 

Vice-presidência e secretarias

Diferentemente da eleição para presidência da Câmara dos Deputados, a disputa pela primeira vice-presidência terá que ser decidida no segundo turno. Dos três concorrentes, Lucio Vieira Lima (PMDB-BA) ficou de fora e o cargo está entre Fábio Ramalho (PMDB-MG) e Osmar Serraglio (PMDB-PR).

 

O posto está na cota do PMDB, mas o partido não conseguiu chegar a um consenso sobre quem indicar. A disputa representa um racha no partido e a surpresa é o fato de Lucio Vieira Lima ter ficado em último. Ele é irmão de Geddel, ex-ministro de Temer.
  
No total, Ramalho fez 192 votos, Serraglio 254 e Lima 133.
 
A corrida pela terceira secretaria da Casa também será definida no segundo turno, entre JHC (PSB-AL), que fez 248 votos, e João Fernandes Coutinho (PSB-PE), que contabilizou 219 votos.
 
O restante da Mesa Diretora já está definida. André Fufuca (PP-MA) é o segundo vice-presidente; Giacobo (PR-PR) é o primeiro secretário; Mariana Carvalho (PSDB-RO) a segunda secretária; Rômulo Gouveia (PSD-PB) o quarto secretário; e Pedro Uczai (PT-SC), César Halum (PRB-TO), Dagoberto (PDT-MS), Carlos Manato (SD-ES) e Felipe Bornier (PROS-RJ) são os quatro suplentes das secretarias, respectivamente. 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Receita bloqueia empresas que usaram dados incorretos

Quase 100 mil empresas tiveram o acesso à Declaração Mensa

Youssef diz que movimentava caixa 2

Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef foi ouvido mai

Estudo apresentado à CAE defende redistribuição da carga tributária

O país precisa começar a pensar em nova distribuição .

Comentários