O vice-presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Antonio Anastasia (PSDB-MG), decidiu manter o prazo
O vice-presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Antonio Anastasia (PSDB-MG), decidiu manter o prazo de cinco dias úteis para a realização da sabatina de Alexandre de Moraes para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão foi feita após articulação da base do governo para realizar a sabatina em 24 horas. Com a decisão, Moraes deve ser sabatinado apenas na terça-feira da semana que vem, dia 21.
 
Anastasia presidiu a sessão desta terça-feira, 14, no lugar de Edison Lobão (PMDB-MA), presidente da CCJ, que é investigado na Lava Jato. O senador argumentou que o intervalo entre a leitura do relatório sobre o indicado e a sabatina não serve apenas para os senadores, mas também para que a população tenha oportunidade de conhecer melhor o currículo e os posicionamentos do candidato a ministro do STF. 
 
Apesar de Anastasia pertencer à base do governo, a posição do tucano mineiro convergiu com a da oposição, que pedia mais prazo para debater a indicação de Alexandre de Moraes.
 
A antecipação da sabatina foi bancada na comissão pelo líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR). O ex-ministro do governo Temer defendeu, com base em casos anteriores, que a sabatina fosse realizada em 24 horas. Depois da decisão de Anastasia, entretanto, Jucá recuou e afirmou que não entraria com recurso da decisão para evitar clima de "animosidade". 
 
Durante a sessão, diferentes senadores apresentaram argumentos contra a intenção de antecipar a sabatina de Moraes. A senadora Regina Sousa (PT-PI), por exemplo, afirmou que esteve mais cedo com o candidato. 
 
Regina afirmou que, nesse encontro, Moraes explicou a ela que tem visitado senadores para se apresentar pessoalmente e que não contava com a possibilidade de ser sabatinado no dia seguinte. Um motivo, disse Regina, é que Moraes ainda possuía uma agenda de visitas até a próxima quinta-feira, 16. 
 
Dois senadores da base do governo também falaram contrariamente à antecipação. Lasier Martins (PSD-RS) e Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) pediram que fosse cumprido o regimento e não exceções. Após a decisão de Anastasia, a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), que também pertence à base, aplaudiu a resolução.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Diretoria do Sindafep-PR firma parceria com a Prefeitura de Guaratuba

Na última quinta-feira (6), a diretoria do Sindafep – repr

Sob pressão, Rollemberg resolve visitar distritais

Enquanto parlamentares do Senado e das Câmaras dos Deputados e

Comércio fechou 108 mil lojas e cortou 182 mil

O comércio varejista brasileiro registrou o pior ano da sua hi

Comentários