Gastos são milionários: só DF e Acre ainda pagam

Mesmo diante da grave crise financeira, o Governo do Distrito Federal (GDF) ainda gasta boa parte dos  recursos públicos

Mesmo diante da grave crise financeira, o Governo do Distrito Federal (GDF) ainda gasta boa parte dos  recursos públicos para pagar a licença-prêmio. O benefício conhecido também como pecúnia é concedido aos servidores locais como um bônus em forma de férias ou dinheiro no momento da aposentadoria. Esse auxílio, no entanto, é concedido atualmente apenas no DF e no Acre. O impacto financeiro em novembro, por exemplo, passou de R$ 16 milhões em pagamentos para 339 recém-aposentados. Somente em três anos, o Buriti desembolsou quase R$ 370 milhões. A situação se repete em todos os poderes, justamente em um momento em que se discute os supersalários pagos nas estatais.

 

 

Mesmo em menor escala de gastos, a Câmara Legislativa destinou quase R$ 7 milhões para honrar as licenças-prêmio da Casa. Em 2015, foram quase R$ 8 milhões, e, em 2014, mais de R$ 1,3 milhão. Para este ano, a previsão de gastos é de R$ 6 milhões. O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) executou, em 2016, R$ 9,4 milhões em pecúnia (veja Valores do benefício). No âmbito federal, esse benefício não é concedido há quase 25 anos, substituído pela Licença para Capacitação em 1992, perdendo caráter indenizatório.


A cada cinco anos trabalhados, o servidor público local tem direito a repouso remunerado de três meses. Entretanto, ele não é obrigado a tirar o período de folga, dando a possibilidade futura de converter o benefício em pecúnia. Porém, esse dinheiro só é sacado na aposentadoria, o que acaba se tornando um fundo de garantia vinculado ao último salário. Dessa forma, se um funcionário público em fim de carreira recebe R$ 18 mil e trabalhou 20 anos, ele tem direito a 12 salários do último contracheque. Nessa situação, o recém-aposentado recebe mais de R$ 200 mil de uma só vez.



O pagamento das licenças-prêmio convertidas em pecúnia custaram aos cofres do GDF R$ 180,3 milhões em 2014 e R$ 120,5 milhões, em 2015. Em 2016, o valor desembolsado para o pagamento de pecúnia foi de R$ 69,7 milhões e ainda resta honrar R$ 136 milhões. Por causa do alto gasto com o funcionalismo, a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) informou que o Executivo local começou a atrasar o repasse do benefício para garantir a folha de ponto dos servidores ativos e pensionistas.

 


De acordo com a pasta, atualmente, há atrasos no pagamento das pecúnias processadas para servidores da administração direta do governo que se aposentaram após setembro de 2015. A falha se refere aos meses de setembro a dezembro de 2015 e a todo o ano de 2016. Agora, o GDF estuda um calendário para o acerto dessas despesas. Em 24 de fevereiro, o governo local pagou os atrasados de 2015 de servidores da saúde, o que corresponderam a R$ 1.141.924,44.



Na visão do doutor em ciências políticas da Universidade de Brasília (UnB) José Matias-Pereira, a concessão de pecúnia local é nada mais do que um desperdício do dinheiro público. “O Distrito Federal caminha na contramão daquilo que seria adequado para fazer uma boa governança e na contenção de despesas. Na década de 1990 esse benefício sinalizava um equívoco pelo fato de afetar as contas públicas a longo prazo. Todas as unidades federativas, à exceção do Acre e do DF, caminharam para o fim”, afirma. O especialista considera absurda a vigência do benefício.  “Esse tipo de concessão acaba tirando benefícios de toda a população. No caso do DF, os governantes sempre puderam contar com um orçamento significativo do governo federal, comparado a outras unidades federativas. Essa flexibilidade fez com que houvesse falta de planejamento”, completa José Matias.

 

Pressão

Mesmo com os altos custos acarretados pela conversão de licença-prêmio em pecúnia, atualmente, não há previsão de se acabar com o benefício. Em setembro de 2015, o governador Rodrigo Rollemberg, dentro do pacote de medidas para tirar o GDF de uma situação financeira crítica, anunciou mudanças na licença-prêmio. No modelo proposto, o funcionário que completasse o quinquênio de trabalho e não gozasse da licença-prêmio até o fim daquele ano não poderia mais receber o valor em dinheiro na hora da aposentadoria. A ideia, porém, não emplacou.



Na última terça-feira, o secretário da Casa Civil, Sérgio Sampaio, criticou a concessão do benefício. “É algo que acabou no governo federal há mais de 20 anos. São quase R$ 200 milhões anuais. Já propusemos alteração na lei, mas, infelizmente, não conseguimos.”



O secretário-executivo da 1ª Secretaria da Câmara Legislativa, Eduardo Menis, explicou que esse é um direito adquirido pelo servidor local. “A lei permite o regime jurídico que temos que seguir. Claro que o valor impacta um pouco no orçamento, porém, temos de pagar”, ressalta.



O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Civis da Administração Pública Direta, Autarquias, Fundações e Tribunal de Contas do DF (Sindireta), Ibrahim Yusef, reclama que o grande fluxo de concessão de pecúnia está ligado à falta de liberações do período de licença. “Temos casos de servidores que pediram para tirar as férias e não tiveram a solicitação concedida. O fato é que o GDF não faz concursos públicos e, assim, não concede a licença-prêmio. Se o Executivo entendesse que, no futuro, não seria possível pagar, ele passaria a conceder as folgas”, disse. Segundo Ibrahim, a categoria não vê a pecúnia como privilégio. “O servidor público não tem Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Portanto, ela serve como complemento no momento da aposentadoria”, defende.



Por meio de nota, a Secretaria de Planejamento Orçamento e Gestão (Seplag) explicou que parte das licenças-prêmios podem não ser concedidas em conjunto, em respeito ao artigo 141 da Lei Complementar 840/2011, segundo a qual as concessões não poderão exceder um terço da lotação do órgão. "A concessão é descentralizada, isto é, depende de cada órgão — a quem cumpre analisar a possibilidade do gozo da licença, respeitando a continuidade das atividades durante os afastamentos. Vale destacar que não há qualquer dispositivo legal que exija que o servidor goze a licença-prêmio durante os anos em serviço", destacou. Sobre o quadro pessoal, a Seplag esclareceu que  permanece impedida de realizar novas nomeações pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
CLDF espera novos pedidos de cassação

A decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territ

Reforma trabalhista permite que empregador reduza salário

Pela proposta em votação nesta semana, empresa poderá demi

‘Muito preciosismo’ na negociação do Refis

Líder do governo diz que MP precisa ser votada até fim de a

Comentários